Dicas de Flores
Voltar
Salvia
Nome Popular: Alegria-dos-jardins, Sálvia, Sangue-de-adão
Nome Científico: Salvia splendens
Família: Lamiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
É uma planta semi-lenhosa e subarbustiva, costuma murchar no inverno, mas brota novamente na primavera. A Sálvia deveria ser chamada de “Cantinho dos beija-flores”. Suas flores tubulares esbanjam uma forte cor vermelha, e sua atração aos beija-flores e também às borboletas é um ótimo motivo para que se plante nas épocas de primavera.
É uma ótima recomendação para canteiros de jardim, se quiser que sua casa fique com a frente totalmente linda. Com sua fragrância que lembra o abacaxi, são deliciosas e dão cores em saladas de frutas, bebidas e sobremesas. Esmague algumas folhas aromáticas em um chá quente ou frio, para um gosto prazeroso.
É necessário sol pleno para seu desenvolvimento e regas regulares para um melhor crescimento e florescimento. A Sálvia irá murchar e eventualmente perderá suas folhas durante a secura, mas voltando a regar, normalmente se estabiliza. A poda após o florescimento revigora a planta. Tolerante a baixas temperaturas. Multiplica-se por sementes.
20/06/10 : 21:36

São Carlos
Nome Popular: Grama-são-carlos, grama-missioneira, grama-sempre-verde, grama-curitibana, grama-tapete
Família: Poaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
Nome Científico: Axonopus compressus
Sinonímia: Milium compressum, Paspalum compressum, Paspalum platycaulon, Paspalum tristachyon, Paspalum laticulmun, Paspalum platycaule
A grama-são-carlos tem folhas largas, lisas e sem pêlos. É estolonífera, isto é, o caule fica acima do solo e emite as raízes para baixo e as folhas para cima. De coloração verde vibrante a pleno sol e um pouco mais escura à sombra, há ainda uma forma variegada de folhas com margens branco-creme. É indicada para jardins públicos, industriais, residenciais, principalmente sítios e fazendas. Adaptada ao clima frio, vai bem a pleno sol e a meia-sombra, formando um tapete bem denso. Vendido comumente na forma de placas ou mudas.

Deve ser cultivada em solo fértil, com regas freqüentes pois não resiste à seca. O corte deve-ser feito sempre que a altura chegar a 3 centímentros. Multiplica-se pela divisão dos estolões enraizados
06/09/10 : 21:01

Santo Agostinho
Nome Popular: Grama-santo-agostinho, grama-inglesa, grama-de-santo-agostinho
Família: Poaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América do Sul
Ciclo de Vida: Perene
Nome Científico: Stenotaphrum secundatum
Sinonímia: Ischaemum secundatum, Stenotaphrum glabrum, Stenotaphrum americanum
A grama-santo-agostinho tem folhas lisas, sem pêlos e estreitas, de coloração verde-escura. É rizomatosa, isto é, o caule fica abaixo do solo e emite as folhas para cima. É indicada para jardins residenciais e de empresas, principalmente no litoral, formando gramados bem densos. Deve ser aparada sempre que alcançar 3 cm. Vendida comumente na forma de placas, sementes ou mudas (plugs).

Pode ser cultivada a pleno sol ou meia sombra, em solos férteis, com adubações semestrais e regas regulares. É tolerante à salinidade e contraindicada para locais muito frios. Multiplica-se por sementes e pela divisão dos rizomas enraizados
06/09/10 : 21:00

Sapatinho-do-diabo
Nome Popular: Sapatinho-do-diabo, Dois-amores, Dois-irmãos, Picão, Sapatinho-de-judeu, Sapatinho-dos-jardins, Planta-zigue-zague, Zigue-zague, Pedilanto
Nome Científico: Pedilanthus tithymaloides
Sinonímia: Euphorbia tithymaloides, Tithymaloides myrtifolium, Tithymalus myrtifolius
Família: Euphorbiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
O sapatinho-do-diabo é um arbusto suculento, de seiva leitosa, nativo das florestas tropicais secas da América Central e América do Sul. Atingindo cerca de um metro e meio de altura, ele apresenta ramos verdes, em zigue-zague, que acompanham a disposição alterna das folhas. As folhas são ovais, coriáceas e de acordo com a variedade podem ser verdes ou variegadas de branco, creme e rosa. As flores são protegidas por brácteas róseas ou vermelhas, que dão à flor um aspecto de sapatinho. Suas flores são atrativas para beija-flores e abelhas.No paisagismo o sapatinho-do-diabo pode ser utilizado isolado ou em grupos, formando bordaduras ou maciços. Seu porte pode ser facilmente controlado através de podas. Da mesma forma, é possível estimular a ramificação e a renovação da planta com cortes periódicos. É possível encontrar também variedades anãs, próprias para o plantio em vasos e que podem ser aproveitados na decoração de varandas e interiores.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo leve, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado com moderação. Tolerante a solos pobres e curtos períodos de estiagem. Aprecia o calor, não tolerando frio intenso, geadas ou encharcamento. Quando enfrenta seca muito prolongada perde as folhas.
02/08/10 : 19:31

Siníngia
Nome Popular: Gloxínia, siníngia, cachimbo
Nome Científico: Sinningia speciosa
Sinonímia: Gloxinia speciosa, Ligeria speciosa
Família: Gesneriaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Anual
A gloxínia é uma planta interessante. Suas folhas são grandes e arredondadas, suculentas e aveludadas e caem no outono e inverno. As flores são grandes e podem ser simples ou dobradas, de diversas cores e mesclas, e muitas vezes pintalgadas. É uma ótima planta para cultivar em jardineiras e vasos, sendo bastante comum a comercialização como planta envasada. A floração ocorre no verão. Após a murcha das folhas deve-se limpar os bulbos e guardá-los em local seco e fresco para o replantio no final do inverno.
Devem ser cultivadas a meia-sombra, em substrato rico em matéria orgânica, bem drenável, com regas regulares. Tolera o frio. Pode ser multiplicada pelos bulbos, sementes ou folhas postas a enraizar.
02/08/10 : 19:27

Samambaia-prata
Nome Popular: Samambaia-prata
Nome Científico: Pteris cretica
Família: Pteridaceae
Divisão: Pteridophyta
Origem: América Tropical
Ciclo de Vida: Perene
Esta samambaia possui folhagem vistosa e delicada. Os folíolos são alongados em forma de lança, com bordas lisas, denteadas e ou onduladas. Uma das variedades mais apreciadas apresenta uma faixa central branca-prateada no centro dos pecíolos. É uma planta bastante adequada para ambientes internos bem iluminados, seja em vasos ou em jardins de inverno. Externamente pode ser cultivada em jardineiras, canteiros e vãos entre muros ou paredes preparadas para receber epífitas.
Como a maioria das samambaias devem ser cultivadas a meia-sombra ou sombra. É bastante exigente em matéria orgânica e irrigação. Não é tolerante ao frio e às geadas. Pode ser multiplicada divisão de touceiras.
02/08/10 : 19:25

Samambaia
Nome Popular: Samambaia
Nome Científico: Nephrolepis Polypodium
Sinonímia: Aspidium sp
Família: Polypodiaceae
Divisão: Pteridophyta
Origem: Cosmopolita tropical
Ciclo de Vida: Perene
As samambaias são em geral plantas herbáceas, rizomatosas com folhas longas, subdivididas em folíolos que podem ser lisos ou rendados. De coloração verde, com diversas tonalidades, podem ser mais eretas ou mais pendentes dependo da espécie e variedade. As samambaias fizeram e fazem muito sucesso na decoração de interiores, sendo uma das plantas ornamentais mais vendidas no Brasil. Comumente é plantada em vasos de xaxim, fato este condenável atualmente, devido ao perigo de extinção do xaxim.Algumas alternativas estão sendo estudadas em substituição a este substrato, como os vasos de fibra de côco, por exemplo. No entanto, os apreciadores das samambaias e outras epífitas, afirmam que estes substratos ainda não apresentam as mesmas qualidades do xaxim. A iluminação ideal para as samambaias em geral é a meia-sombra, salvo em algumas exceções. São plantas rústicas e que não gostam de frio. Os vasos devem ser irrigados frequentemente, porém devem ser bem drenado.
02/08/10 : 19:24

Sálvia
Nome Popular: Sálvia, Sangue-de-adão, Alegria-dos-jardins
Nome Científico: Salvia splendens
Família: Lamiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Brasil
Ciclo de Vida: Perene
É uma planta semi-lenhosa e subarbustiva, costuma murchar no inverno, mas brota novamente na primavera. A Sálvia deveria ser chamada de “Cantinho dos beija-flores”. Suas flores tubulares esbanjam uma forte cor vermelha, e sua atração aos beija-flores e também às borboletas é um ótimo motivo para que se plante nas épocas de primavera. É uma ótima recomendação para canteiros de jardim, se quiser que sua casa fique com a frente totalmente linda. Com sua fragrância que lembra o abacaxi, são deliciosas e dão cores em saladas de frutas, bebidas e sobremesas. Esmague algumas folhas aromáticas em um chá quente ou frio, para um gosto prazeroso. É necessário sol pleno para seu desenvolvimento e regas regulares para um melhor crescimento e florescimento. A Sálvia irá murchar e eventualmente perderá suas folhas durante a secura, mas voltando a regar, normalmente se estabiliza. A poda após o florescimento revigora a planta. Tolerante a baixas temperaturas. Multiplica-se por sementes.
02/08/10 : 19:23

Sálvia-farinhenta, Sálvia-azul, Sálvia
Nome Científico: Salvia farinaceae
Nome Popular: Sálvia-farinhenta, sálvia-azul, sálvia
Família: Lamiaceae
Divisão: Angiospermae
Origem: Estados Unidos
Ciclo de Vida: Perene
A sálvia-farinhenta é uma planta de pequeno porte, de textura herbácea e muito florífera. Ela apresenta caule piloso e folhas oval-lanceoladas, verde-claras e com bordos serrilhados. As inflorescências despontam acima da folhagem, são eretas e compostas de numerosas flores azuis, com cálice de superfície farinhenta.
A floração ocorre na primavera, verão e outono. Existem diversas variedades, com plantas mais ou menos compactas e de flores maiores ou menores, com diferentes tonalidades entre o azul e o violeta, inclusive exemplares de flores brancas.
As sálvias-farinhentas são perfeitas para a formação de maciços a pleno sol, conferindo uma sensação de paz e tranqüilidade com sua bela floração azul. Também podem ser plantadas em bordaduras e canteiros, assim como em vasos e jardineiras. A combinação desta sálvia com plantas de outras cores e tonalidades pode trazer um resultado surpreendente.
Devem ser cultivadas sob sol pleno, em solo fértil, leve e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Aprecia o frio subtropical. Apesar de perene, deve ser tratada como anual ou bienal, dependendo da variedade, pois perde a beleza com o tempo. Multiplica-se por estaquia e por sementes.
02/08/10 : 19:20

Parceiros
Busca Rápida
Flores
Ervas Medicinais
Jardim de Inverno
Temperos de Hortas
Previsão do Tempo
Visitas
185474

Desenvolvido por DebugWeb - ©2010 - Todos os direitos reservados. [ restrito ]